quarta-feira, 26 de outubro de 2016

DO GOLPE À DITADURA

RESENHA


FICO, Carlos. O golpe de 64: momentos decisivos. Rio de Janeiro: FGV, 2015.
                                                                                           Marcelo Ferraz.


Carlos Fico, doutor em história social (USP), é uma das maiores autoridades sobre o regime militar brasileiro e autor de vários trabalhos sobre o tema.
Em seu livro O golpe de 64, Fico faz emergir dois pontos de grande importância sobre o período. O primeiro, é que o golpe de 1964 foi de origem civil-militar (e não apenas militar), pois contou com o apoio de grande parcela da sociedade civil, que queria, a qualquer preço, a saída de João Goulart da Presidência da República. O segundo ponto nos fala sobre o fato de que o golpe não pressupunha a ditadura que se seguiu, ou seja, o remédio a ser utilizado contra a doença teve reações adversas amargas. O que começou com um Golpe de Estado, acabou por transformar-se em ditadura.
Evento-chave da história do Brasil recente, o golpe de 1964 teve grande apoio da Igreja, parte da imprensa e de outros setores da sociedade, que anos depois viriam a se arrepender, e engrossariam as fileiras contra o regime militar. O golpe não foi uma iniciativa de militares desarvorados, pois contou, inclusive, com o apoio financeiro e logístico do governo norte-americano.
Fico nos mostra o panorama político antecedente ao golpe.
Jânio Quadros, que havia sido eleito presidente da República em 1960, envia o seu vice-presidente, João Goulart, para uma visita à China, com o objetivo de (com seu vice-presidente o mais longe possível, literalmente) encenar uma renúncia teatral e assim, voltar ao poder nos braços do povo, angariando mais força política.
O plano irresponsável de Jânio Quadros jogou o Brasil em uma crise política imensa. Sua renúncia foi prontamente aceita pelo Congresso Nacional e os comandantes das Forças Armadas resolveram não aceitar João Goulart como presidente da nação, por acreditarem ele ser comunista. Ideia que o autor não concorda, por ser João Goulart proprietário de grandes extensões de terra no Rio Grande do Sul.
Nesse ínterim, o governador gaúcho Leonel Brizola lança a “Rede da Legalidade”, campanha que utilizava, por meio de pronunciamentos pelo rádio, a defesa pelo direito do vice-presidente assumir a Presidência da República.
Com o país vivendo um verdadeiro caos político, chegou-se a uma solução inusitada. O país adotaria o sistema parlamentarista, que limitaria os poderes do presidente da República. Entretanto, em 6 de janeiro de 1963 foi realizado um plebisto tendo como resultado o retorno do sistema presidencialita.
João Goulart vinha sendo sistematicamente atacado por campanhas empreendidas pelo Ipes e Ibad, duas associações de empresários que tinhm por objetivo desestabilizar o governo, que segundo Fico, recebiam, inclusive, recursos financeiros do governo norte-americano para tal.
De acordo com Fico, depois de sair vitorioso no plebiscito de 1963, Goulart decidiu-se a favor de uma estratégia desastrada e se envolveu em duas situações cruciais para a sua deposição: o famoso comício da Central do Brasil, de 13 de março de 1964, e seu discurso no Automóvel Club do Brasil, no dia 29. Este último, uma festa realizada pela Associação do Suboficiais e Sargentos da Polícia Militar, que foi entendida pelos oficiais como se o presidente estivesse prestigiando a quebra da hierarquia. Ou seja, um desastre, pois lá seria seu último discurso como presidente da República.
Fico expõe em seu livro a relação da “Marcha Pela Família” com a “Cruzada do Rosário”, movimento criado em 1945, nos Estados Unidos, pelo padre irlandês Patrick Peyton, além de nos descrever a importância do discurso de Goulart no desagravo de lideranças religiosas para a origem das “Marchas Pela Família”.
De acordo com o autor, os conspiradores acreditavam que João Goulart aproveitaria o apoio que tinha dos sindicatos e, por meio de um golpe de Estado ou de algumas medidas de força sucessivas, instauraria um regime político inspirado no peronismo argentino, no qual prevaleceria a vontade dos sindicatos, instaurando, posteriormente, um regime decididamente comunista na Brasil.
Em uma decisão pessoal, que inclusive, atropelou outros chefes militares, o general Olympio Mourão Filho, deflagrou o golpe. Suas tropas iniciaram o deslocamento em direção ao Rio de Janeiro, onde todos os conspiradores esperavam grande resistência da parte de Goulart. Fato que não ocorreu. O governo cairia como um castelo de cartas.
O governo dos Estados Unidos estava pronto para dar apoio militar e logístico aos conspiradores, o que depois se mostrou desnecessário, por não haver resistência por parte do presidente Goulart.
Rapidamente, ainda de madrugada e no escuro, o Congresso Nacional declara vacância do cargo de presidente da República e empossa Ranieri Mazzilli, o presidente da câmara, como novo presidente do Brasil.
Nas primeiras horas do dia, Costa e Silva, tentando manter-se como homem forte do novo regime, reuniu-se com os governadores no Ministério da Guerra. Esse fato para Fico é de extrema importância, pois aí dá-se a passagem do golpe civil-militar à ditadura militar.
Lacerda, governador da Guanabara, tentava convencer Costa e Silva da necessidade de imediata definição e o general o interrompia, dizendo não ser oportuno fazer-se eleição naquele momento.
Além disso, o livro nos mostra como foi planejada a criação dos Atos Institucionais e a tentativa de dar legalidade ao golpe que mergulhou o nosso país em um de seus mais tenebrosos capítulos.

O golpe de 64 é leitura obrigatória para aqueles que desejam se aprofundar sobre o tema, ou mesmo aqueles que buscam conhecer um pouco mais sobre a história do Brasil.

Um comentário:

  1. Sei que o post não se propôs a fazer uma avaliação do período, entretanto, acho interessante primeiro a separação, como foi feita, entre o Golpe ou contra-revolução(como alguns preferem) e o regime que prevaleceu posteriormente.
    Concordo plenamente que João Goulart foi "derrubado" com amplo apoio e, que se mostrava um desastre politicamente.
    Agora, não creio que a derrubada de Jango produziu "instantaneamente" um Regime Militar, isso já foi oura história, até pelas diferenças dentro do próprio exercito e a série de acontecimentos que viriam acontecer.

    Abraço

    ResponderExcluir